Cidadania

As leis de aborto dos EUA revivem um forte argumento para dinheiro – Quartz

Agora que a Suprema Corte dos Estados Unidos derrubou Roe vs Wade, os americanos estão levantando preocupações sobre quais dados a polícia e os promotores podem acessar para incriminar pessoas que buscam abortos, o que já aconteceu antes. Se os agentes da lei não puderem acessar documentos médicos, eles podem recorrer a empresas de serviços financeiros para obter dados sobre transações de pagamento.

Agora que o aborto é ilegal em vários estados dos EUA, pagar por serviços de aborto com dinheiro pode ser uma maneira de evitar a detecção, desafiando a ideia de que o dinheiro está desaparecendo.

A privacidade continua sendo um grande desafio com pagamentos digitais

Em geral, menos americanos usam dinheiro, já que as empresas de cartão de crédito avançaram no conceito sem dinheiro. Desde 2019, empresas de serviços financeiros como JPMorgan e Visa implementaram a tecnologia sem contato, ajudando a potencializar as transações com cartão, além de tornar mais fácil e conveniente para o governo acessar os dados das pessoas.

Mas um dos maiores desafios dos pagamentos digitais é a privacidade. As leis de privacidade são enfraquecidas quando as pessoas compartilham voluntariamente informações com terceiros, permitindo que os agentes da lei intimam instituições financeiras por dados de clientes, relata o New York Times.

As empresas de serviços financeiros sabem muito sobre seus clientes. Quando você paga pela maioria dos bens e serviços, geralmente é usado um intermediário que permite acesso ao seu nome, e-mail, endereço postal, número de telefone e muito mais. A empresa de serviços financeiros pode acessar os bancos de dados de um corretor de dados gigante e aprender qualquer coisa, desde emprego até status de casa própria. O dinheiro não é totalmente infalível, pois as lojas podem rastrear quem usa dinheiro de programas de fidelidade, por exemplo, mas ainda é muito mais seguro em termos de privacidade do que usar um cartão.

Os pagamentos digitais se tornaram mais convenientes, mas as pessoas recorrerão ao dinheiro físico quando não quiserem que o governo se intrometa em suas vidas pessoais. Por exemplo, durante os protestos de Hong Kong em 2019, as pessoas começaram a usar dinheiro novamente para pagar suas passagens de metrô, pois temiam que a polícia pudesse usar os detalhes do cartão para rastrear quem foi ao protesto e apresentar queixa. O dinheiro também é chamado em tempos de desastres naturais, demonstrando como o dinheiro não pode ser completamente substituído.

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo