Cidadania

Após 50 mortos na igreja de Owo, presidente da Nigéria pondera sucessor – Quartz Africa

Homens armados entraram em uma igreja católica em Owo, uma cidade no estado de Ondo, no sudoeste da Nigéria, durante uma missa no dia de Pentecostes em 5 de junho, matando pelo menos 50 pessoas, segundo relatos e a estimativa mais baixa de mortes de legisladores e testemunhas oculares.

O terrível assassinato de domingo foi o mais mortal em uma igreja nigeriana em uma década, lembrando tragédias semelhantes em 2018, 2012 e no dia de Natal em 2011.

Mas algumas horas depois que aconteceu, o presidente nigeriano Muhammadu Buhari, seu vice-presidente Yemi Osinbajo e outros membros de seu partido All Progressives Congress (APC) foram fotografados relaxando e se divertindo em torno de mesas coloridas. A APC inicia uma convenção em Abuja em 6 de junho para eleger seu candidato para a eleição presidencial do próximo ano. Buhari quer escolher seu sucessor e disse claramente aos governadores dos 22 (dos 36) estados da APC da Nigéria que apoiem sua eleição.

O avanço rápido de um assassinato em massa para uma convenção do partido é um instantâneo da Nigéria nos últimos sete anos; um país se arrastando de uma tragédia para outra, políticos disputando o poder na crença de que sempre haverá um país para governar e recursos para explorar.

Buhari entregará um problema de assassinato em massa não resolvido

Não está claro quem Buhari escolherá esta semana. Osinbajo, o vice-presidente, está concorrendo. Bola Tinubu, ex-governador do estado de Lagos que foi muito influente em trazer Buhari e Osinbajo ao trono em 2015 e 2019, também está concorrendo e disse que é sua vez de liderar a Nigéria.

No entanto, uma coisa é certa: quem se tornar presidente, seja do partido de Buhari ou da oposição, herdará uma crise de assassinato em massa nas igrejas da Nigéria.

A ameaça antecedeu a presidência de Buhari e quase sempre foi executada pelo Boko Haram, o grupo terrorista. Mas continuou sob Buhari, com pastores de gado responsáveis ​​pelo assassinato de pelo menos 15 pessoas em 2018. Uma estimativa coloca o número de cristãos massacrados na Nigéria desde 2015, quando Buhari se tornou presidente, em 11.500. Os pastores representam 64% disso.

Assassinatos em massa por terroristas também têm como alvo os muçulmanos, particularmente no norte da Nigéria. Desde 2009, cerca de 30.000 muçulmanos foram mortos em “assassinatos colaterais e de vingança”, disse a Sociedade Internacional para as Liberdades Civis e o Estado de Direito (uma organização não governamental nigeriana).

Ponto de virada ou oportunidade de campanha?

Após a tragédia de Owo, Buhari disse que a Nigéria “nunca cederá às pessoas más e más, e as trevas nunca vencerão a luz”. A declaração foi feita por meio de um assistente de mídia. O presidente não falou diretamente sobre o assunto.

Isso deixa o campo aberto para que seus possíveis sucessores afirmem ser capazes de confortar os nigerianos enlutados em tempos de dor. A equipe Osinbajo publicou um tweet empático. A equipe de Tinubu postou um vídeo dele andando de ônibus e olhando ansiosamente pela janela, com o governador do estado de Ondo ao seu lado.

O que quer dizer que esse assassinato em massa, como muitos antes dele, pode em breve ser incluído no teatro político predominante da época. A polícia prometeu uma investigação, como em casos anteriores. Mas, além daquela vez em que a aplicação da lei matou o cérebro por trás do assassinato de 23 pessoas que voltavam para casa dos eventos da igreja na véspera de Ano Novo, a Nigéria está tragicamente seguindo em frente como se nada tivesse acontecido.

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo