Matemática

APMEP: O BGV online

Durante o encerramento de março de 2020, toda a profissão teve que adaptar o seu ensino, ser criativa e desenvolver competências digitais, a fim de manter o vínculo com os seus alunos, tanto quanto possível. Na matemática, usamos muitas ferramentas digitais. Alguns usaram a sala de aula Geogebra, Quizinière, Genially, Tquiz, paredes colaborativas, Pearltrees, suas ferramentas ENT, salas de aula virtuais, WIMS, … Mais de um ano depois, continuamos a usar algumas dessas ferramentas e outras não. Como já dissemos: “Este calvário deu-nos elementos para trabalharmos em profundidade, vamos aproveitá-los. Vamos analisar o que temos feito, o que manter, o que não fazer, o que estamos fazendo, o que é melhor não fazer mais e delinear o que queremos que seja o nosso trabalho. Podemos fazer esse trabalho graças à força coletiva da APMEP. Este trabalho fundamental no ensino de matemática foi iniciado pelo escritório, pelo comitê e pelas regionais. Você pode participar e envolver todos os seus colegas preenchendo o questionário encontrado na página do nosso site Oficinas APMEP: Reflexão sobre o ensino da matemática no século XXI.

Em vez disso, aqui queremos nos questionar sobre o uso do digital no ensino da matemática. Que impacto essa mudança na prática teve na aprendizagem? O uso de ferramentas digitais promove melhor suporte aos alunos? Promove a implementação da diferenciação educacional? É o futuro da escola?

Um dos objetivos da educação matemática é desenvolver conjunta e progressivamente as competências de experimentação e raciocínio, imaginação e análise crítica. Através da resolução de problemas, modelação de algumas situações e aprendizagem progressiva a partir da demonstração, os alunos podem tomar consciência do que é uma verdadeira atividade matemática e adquirir a prática de um processo científico. Pelas suas especificidades, a ferramenta digital complementa os meios de que dispõem professores e alunos para implementar estes diferentes aspectos da abordagem científica e a particularidade da sua variação na matemática. Em particular, o digital é manipulável, dinâmico e interativo e são essas qualidades que devem ser utilizadas para a criação de recursos de qualidade e para possibilitar a aprendizagem. O software de geometria dinâmica e a planilha permitem que um grande número de casos seja visualizado de forma rápida e fácil, favorecendo o entendimento da noção de prova e, ao oferecer diferentes representações, um melhor entendimento de objetos matemáticos … O uso de tecnologia digital faz parte integrante da educação matemática.

A questão da contribuição da tecnologia digital para a aprendizagem é uma questão muito importante tendo em vista o desenvolvimento das tecnologias e a velocidade de acesso à informação pela Internet em nossa sociedade. Por trás desses desenvolvimentos técnicos e pedagógicos surge a questão de seu valor agregado para a aprendizagem dos alunos.

Para que um recurso seja útil em termos de aprendizagem para os alunos, ele deve levar em consideração os conceitos e as ferramentas da didática. Para que sejam de alta qualidade e sejam utilizados da forma mais eficiente possível, é desejável que os recursos sejam gerados com um suporte metodológico reconhecido e acompanhados de um cenário de utilização educacional em sala de aula. Usados ​​corretamente, eles permitem um aprendizado eficaz e são um bom complemento para lápis e papel. Para escolher recursos de qualidade e articulá-los corretamente em sala de aula com os demais, é necessária a formação de professores.

Para aprender, o aluno deve confrontar seus pensamentos, suas respostas à realidade: alguns recursos digitais fornecem feedback, ajuda, feedback e o aluno pode aprender nesses ambientes.

Recursos digitais que permitem ao aluno interagir sem o professor estar sempre presente, promovem o trabalho independente dos alunos mais bem-sucedidos, avançam no seu próprio ritmo e corrigem os seus erros e isso permite ao professor, de vez em quando. diferenciação nas aulas atendendo aos alunos mais fracos.

A tecnologia digital permite um treinamento de automação fácil. As neurociências têm demonstrado que através de atividades rituais diárias, perguntas rápidas, trabalhar em automatismos permite ao aluno desenvolver seus conhecimentos e habilidades. Vemos que, com um bom suporte, o aluno pode superar o medo e recuperar a autoconfiança. A autoconfiança é uma dimensão essencial na aprendizagem.

Os recursos digitais costumam ser bem aceitos por alunos que começam a trabalhar rapidamente e mostram uma motivação muito melhor. No entanto, embora estar motivado seja importante, aprender nem sempre é suficiente, mas às vezes é um bom ponto de partida para o futuro.

No entanto, uma das observações inegáveis ​​é que isso está aumentando as desigualdades hoje. Infelizmente, muitos alunos não possuem equipamentos de informática ou não têm acesso à Internet. Esforços estão sendo feitos nas políticas de educação, mas ainda há trabalho a ser feito para reduzir essas lacunas. Ainda assim, muitos estabelecimentos não estão suficientemente equipados em hardware ou software. Tendo em vista os programas de matemática, é necessário o acesso regular a uma sala de informática, mas também a ferramentas digitais como projetor de vídeo e visualizador.

Também existem muitos mitos sobre o impacto do uso da tecnologia digital na escola. André Tricot em seu livro “Aprendendo com a tecnologia digital” lança luz justamente sobre uma série de comentários sobre o tema. Uma delas é justamente acreditar que nossos alunos sabem como usar a tecnologia digital de forma eficaz porque “ela pertence à sua geração”. André Tricot explica que os alunos só sabem usar a tecnologia digital de forma eficaz para seu uso pessoal. Segundo o Instrumental Genesis, parece que qualquer tipo de ferramenta que é disponibilizada aos alunos do ponto de vista do ensino não pode ser utilizada diretamente sem um processo de apropriação. Portanto, é imperativo ensinar o uso dessas ferramentas digitais para que se tornem verdadeiros instrumentos matemáticos. Por outro lado, convém referir que se encontram apenas no país do país, são responsáveis ​​e que são responsáveis ​​por três pessoas, e que não devem ser utilizados, e que a resposta é solicitada de imediato, e que eles não são seguros.

Freqüentemente, podemos ouvir na sala dos professores que os alunos não sabem mais calcular fatos elementares sem recorrer à calculadora. Parece que os alunos não adquiriram os automatismos necessários para não depender de ferramentas digitais que utilizam como muleta para sua memória. Eles carecem de um repertório formal e digital. No entanto, quando a muleta atua como uma prótese, ela cria uma deficiência duradoura. Porém, no relatório da Comissão de Reflexão sobre o Ensino da Matemática, recomenda-se que: “o professor deve garantir, por um lado, aptidões de cálculo simples, oral ou escrito e, por outro lado, aspirar a uma capacidade inteligente domínio do cálculo auxiliado por calculadoras e softwares. “De maneira mais geral, isso significa que, apesar do progresso tecnológico, os alunos não podem deixar de aprender os fundamentos da matemática para ficarem intelectualmente livres da necessidade de usar uma ferramenta digital.

São mudanças profissionais profundas que são induzidas pela tecnologia digital e que parecem se acelerar com a crise da saúde, estas requerem muita adaptabilidade e autoformação por parte dos professores. Existe uma velocidade de comunicação que permite um trabalho colaborativo remoto eficaz e uma sobrecarga de trabalho muito laboriosa induzida pela criação e utilização em aula destes recursos e destas comunicações multiplicadas. E a questão do número de horas de matemática para os alunos surge porque integrar corretamente essas práticas em sala de aula requer tempo de ensino.

Ferramentas são apenas ferramentas. Quando lhes atribuímos este lugar, então as ferramentas digitais têm um potencial formidável, que estamos a descobrir e é no final de “A Reflexão sobre o ensino da matemática no século XXI” que o poderemos pormenorizar. possibilidades e limites, o que queremos ou não para a nossa profissão no futuro com a questão central: há valor acrescentado para os alunos?

O escritório nacional

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo