Matemática

APMEP: Maurice Glaymann e APMEP.

[ad_1]

- Harmonia? O objetivo do sistema educacional francês é dar um lugar central à neutralidade da avaliação dos alunos através da igualdade de tratamento, em particular durante os exames e competições.
Hoje, o poder de um país é medido por seu potencial científico; Se queremos permanecer na vanguarda das nações, devemos formar cada vez mais alunos com vocação científica. Não é o caso neste momento: vivemos uma verdadeira crise, os jovens fogem do campo científico e caminha para o campo literário. Para mudar de curso, precisamos repensar completamente nosso ensino, seu conteúdo e seus métodos.

Quem escreve isso e quando? Presidente da APMEP? Sim, mas é Maurice Glaymann e em 1966 sob a direção do então Ministro da Educação Nacional, Christian Fouchet, Maurice Glaymann que acaba de nos deixar aos 90 anos e que foi Presidente da APMEP de 1966 a 1968!

Seu apelo às autoridades foi frutífero e, em primeiro lugar, levou à criação do Comissão Lichnerowicz. Isso teve grande influência nos programas até então definidos pela Inspetoria Geral, mas também autorizou – uma grande novidade – vários professores, em toda a França, a experimentar elementos desses programas.

Mais tarde, graças a maio de 1968 e a Edgard Faure, essa chamada também levou à criação de IREMs, amplamente inspirado na reflexão da APMEP contida no Cardápio de Chambéry [1], que define as linhas gerais da política da APMEP sobre os conteúdos e estruturas que pretende desenvolver.

Maurice Glaymann é também a regionalização da associação que se torna uma federação de associações regida pela lei de 1901: as Regionais, agora tão fortemente ancoradas na vida da APMEP.

E a vida regional, Maurice conhecia bem, já que, antecipando sua criação oficial, uma vintena de professores de Lyon se encarregavam de uma formação contínua e davam palestras todas as semanas. Mais tarde, uma proliferação educacional se desenvolveu em torno do que foi chamado de Team Galion, “The Boys from Lyon”. [2].

É também um interesse crescente em educação secundária inferior e educação primária, que ele expressou em seu primeiro relatório de atividades em abril de 1967.

Ele está ajudando, produzindo um estudo sobre a questão de ” iniciação da criança ao cálculo numérico e ao uso de máquinas de calcular “De acordo com a ideia de que, Em uma ou duas décadas, os computadores serão tão onipresentes na vida cotidiana quanto as máquinas de escritório hoje.
Portanto, podemos pensar que será inútil ensinar as crianças a calcular, porque uma vez adultas, elas terão ferramentas tão eficazes que seria inútil para elas saberem a tabuada!

Na verdade, não é assim, porque para poder usar um computador nas melhores condições é preciso saber calcular perfeitamente … e aqui uma palavra de André Revuz assume toda a sua importância: “você não faz cálculo, você medita”. O matemático que usa um computador pondera um cálculo, a máquina o executa [3]

A APMEP deve muito a Maurice Glaymann, incluindo seu lema: “ do jardim de infância à faculdade

Christiane Zehren


Artigo carregado por GC

[ad_2]

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo