Cidadania

África Ocidental pode expandir energia renovável, cumprir metas climáticas – Quartz Africa


Há pouco tempo, quando a idéia de energia solar e eólica ainda era muito debatida, os críticos costumavam apontar as limitações dessas fontes de energia: o sol nem sempre brilha e o vento nem sempre sopra. Hoje, porém, as redes de energia de muitos países são fortemente supridas por energia renovável.

O desafio de criar sistemas de suprimento de energia flexíveis, confiáveis ​​e acessíveis com energia renovável está nas diferentes circunstâncias entre países e regiões. O planejamento e a expansão de energia renovável devem considerar os recursos locais dos países e sua infraestrutura existente e planejada. Isso se torna ainda mais interessante para os países que tentam expandir suas redes e expandir suas energias renováveis ​​ao mesmo tempo, como muitos na África subsaariana.

Uma tecnologia que tem flexibilidade para complementar a produção de energia solar e eólica é a energia hidrelétrica. Pode ser usado como uma fonte constante de eletricidade, mas também compensa flutuações em outras fontes. Mas deve ser adequadamente planejado e gerenciado para torná-lo sustentável.

Dado que a infraestrutura de geração de energia dura 30 a 50 anos, as decisões tomadas hoje determinarão em grande parte se os governos podem atingir suas metas climáticas.

Na África Ocidental, muitos países enfrentam o desafio de aumentar a demanda por eletricidade. Ao mesmo tempo, os impactos das mudanças climáticas, causados ​​principalmente pela combustão de combustíveis fósseis, estão tendo um forte impacto nos padrões climáticos da região e nos rendimentos potencialmente agrícolas.

O aumento da geração de eletricidade pode ser harmonizado com os objetivos das mudanças climáticas?

Nossa pesquisa mostra que a combinação de usinas hidrelétricas gerenciadas de maneira sustentável com projetos de energia solar e eólica é uma opção promissora para a África Ocidental.

Nossa pesquisa mostra que a combinação de usinas hidrelétricas gerenciadas de maneira sustentável com novos projetos de energia solar e eólica é uma opção promissora para a região da África Ocidental. Poderia minimizar o uso de combustíveis fósseis e seus impactos negativos nas mudanças climáticas, à medida que a região procura expandir o acesso à eletricidade a preços acessíveis.

Fundo de energia da áfrica ocidental

Os países da África Ocidental têm diferentes potenciais de energia renovável. O potencial solar existe em quase toda parte. O potencial eólico é mais forte nas áreas costeiras e na parte mais seca do norte da região. O potencial hidrelétrico está concentrado principalmente na parte sul da região, que recebe a maior quantidade de chuva.

Muitos países já usam grandes usinas hidrelétricas, como a barragem de Akosombo, no Gana, e muitas novas barragens estão em andamento. A energia solar e eólica são adições mais recentes.

O comércio transfronteiriço de eletricidade poderia fazer melhor uso de toda essa energia hidrelétrica, juntamente com a energia solar e eólica. Segundo nossa pesquisa, um grupo de energia comum, que permite que os países compartilhem seus recursos, poderia aumentar o suprimento de energia confiável e renovável em até 60%.

O diagrama a seguir, com base em nosso documento, ilustra um exemplo das possíveis contribuições dos países para esse grupo de energia.

Imagem fornecida pelos autores.

Cada país da África Ocidental poderia contribuir para um fundo compartilhado de energia da África Ocidental para o fornecimento de eletricidade, com base em seus próprios recursos disponíveis nacionalmente.

Os países da África Ocidental já estão colaborando nas trocas de eletricidade, mas principalmente através de contratos bilaterais. O West African Power Pool, uma agência regional, planeja integrar os sistemas nacionais de energia em um mercado unificado de eletricidade em uma escala maior. Nossa pesquisa mostra como esses esforços podem ser simplificados com o crescimento de fontes de eletricidade renováveis.

Esforços semelhantes estão em andamento em outras partes do mundo, como a União Européia, onde a cooperação transfronteiriça também deve ser mais importante na expansão da geração de eletricidade renovável.

Benefícios para a saúde, custos e ecologia.

Em nosso artigo, usamos um novo modelo para examinar as sinergias da geração hidrelétrica sustentável com energia solar e eólica na África Ocidental. O modelo mostra como gerenciar essas fontes em combinação.

Mostramos que a região pode usar energia hidrelétrica, em vez de usinas de gás natural, para garantir a confiabilidade da rede e aumentar a energia solar e eólica. O gás natural é frequentemente apontado como um combustível de transição na transição para a energia sustentável. Mas as emissões globais devem chegar a zero em meados do século, sob o Acordo de Paris. Construir mais infraestrutura de gás, portanto, corre o risco de perder as metas climáticas.

Os efeitos negativos para a saúde da poluição do ar como resultado da queima de combustíveis fósseis também são bem conhecidos. Isso pode ser evitado investindo em energia renovável.

Argumentamos que o custo da eletricidade renovável durante a vida útil de uma usina provavelmente se tornará significativamente mais barato do que para os combustíveis fósseis. Isto se deve principalmente à diminuição dos custos de energia solar fotovoltaica.

O caminho a seguir

Nosso artigo mostra que uma maneira de iniciar a transição renovável para a África Ocidental é otimizar o uso de recursos solares, eólicos e hídricos locais, enquanto monitora os critérios de sustentabilidade. Por exemplo, nossa metodologia garante que os níveis de lagos hidrelétricos e vazões dos rios a jusante permaneçam dentro de limites aceitáveis. Também destaca a possibilidade de substituir futuras usinas hidrelétricas por energia solar e eólica.

Isso aumentará a sustentabilidade ecológica geral da geração de energia renovável.

Juntas, essas medidas ajudarão a abrir caminho para uma transição de longo prazo para sistemas de energia solar baseados em energia fotovoltaica suportados pelo vento, energia hidrelétrica e armazenamento de baterias.

Nossa estrutura não se limita à África Ocidental. Pode ser usado para outras regiões altamente dependentes de energia hidrelétrica e também buscando aumentar a geração de energia solar e eólica.

Os países da África Ocidental ainda não estão presos a uma grande infraestrutura de rede elétrica integrada projetada para usinas movidas a combustíveis fósseis, como é o caso da Europa e da América do Norte. A região pode planejar suas futuras redes de energia renovável desde o início. É uma oportunidade de superar tecnologias antigas, que outras partes do mundo nunca tiveram.

Sebastian Sterl, pesquisador, Serviços climáticos para energia renovável, Vrije Universiteit Brussel e Robert Brecha, professor, Universidade de Dayton

Este artigo foi republicado da The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.

Assine o Relatório semanal da Quartz Africa aqui para receber notícias e análises sobre negócios, tecnologia e inovação africanas em sua caixa de entrada



Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar