Cidadania

A terceira rodada de Howard Schultz como CEO da Starbucks azedou seu legado – Quartz

Quando Howard Schultz retornou à Starbucks como CEO interino nesta primavera, ele tinha a reputação de um líder bastante progressista conhecido por introduzir políticas favoráveis ​​aos trabalhadores, como cobrir 100% das mensalidades da faculdade dos trabalhadores e estender os benefícios de assistência médica aos funcionários de meio período. Mas quando ele renunciar no ano que vem, seu terceiro turno no comando da maior cadeia de café do mundo terá sido amplamente definido por sua postura antissindical e supostas táticas antissindicais.

A Starbucks anunciou ontem que contratou Laxman Narasimhan, que anteriormente dirigia a fabricante de saúde e higiene Reckitt Benckiser, para substituir Schultz a partir de abril, com Schultz permanecendo no conselho da Starbucks e servindo como consultor de Narasimhan após a conclusão do acordo. .

A retórica pró-trabalhador e anti-sindical de Howard Schultz

É muito cedo para dizer o impacto que a mudança de liderança pode ter nas relações da Starbucks com os trabalhadores, que azedaram nos meses desde que os baristas em Buffalo, Nova York, lançaram uma campanha de organização de base bem-sucedida, embora conturbada. , que se espalhou para lojas nos EUA Mais de 220 lojas Starbucks já votaram pela sindicalização em menos de um ano.

Naquela época, a Starbucks se engajou no que o National Labor Relations Board chamou de “uma série de táticas ilegais” para combater os esforços de organização dos trabalhadores da Starbucks, incluindo demitir sindicalistas e fechar lojas em meio a protestos. E ao supervisionar essas medidas, Schultz alterou permanentemente seu legado.

Schultz sempre procurou se apresentar como um líder que se preocupa profundamente com as pessoas que trabalham para ele. Em 2019, ele disse à CNN como sua decisão de oferecer benefícios de saúde aos baristas da Starbucks foi desencadeada por uma conversa antiga com um trabalhador que tinha AIDS. “Eu toda a vida tem tentado tomar decisões através das lentes da humanidade e fazer a coisa certa, mesmo que não seja do nosso interesse econômico”, disse Schultz.

Em 2018, aparecendo no podcast “Masters of Scale”, Schultz disse que em todas as reuniões semanais de gerenciamento da Starbucks, ele imaginava como clientes e baristas (que a Starbucks chama de “parceiros”) reagiriam às decisões da liderança. “Sempre me pergunto em silêncio, em silêncio, essa decisão deixará o cliente e o parceiro orgulhosos? Se a resposta for remotamente cinza, sei que estamos do lado errado do debate”, explicou Schultz.

Essa consideração não parece ter entrado em jogo quando se trata da resposta da Starbucks aos esforços de sindicalização. O sindicato trabalhista, Starbucks Workers United, acusou a empresa de se envolver em centenas de práticas trabalhistas injustas em um esforço para reprimir o movimento. Isso não impediu Schultz de continuar se apresentando como um líder compassivo que está ansioso para ouvir as preocupações dos trabalhadores, desde que essas preocupações não sejam comunicadas por meio de um sindicato, que ele chama de “terceiro” e “força externa.” “Não acreditamos que um terceiro deva liderar nosso povo. E assim estamos em uma batalha pelos corações e mentes de nosso povo”, disse ele em um fórum de políticas do New York Times em junho, aparentemente ignorando o fato de que o Starbucks Workers United é um coletivo composto inteiramente pelos próprios trabalhadores. Perguntado na entrevista se ele poderia se ver “abraçando o sindicato”, Schultz simplesmente respondeu: “Não”.

Hoje, em um clima em que o apoio americano aos sindicatos está no auge de 57 anos, é difícil imaginar Schultz sendo lembrado da maneira como ele procurou se retratar. Também vale a pena notar que sempre houve falhas na narrativa de Schultz e, por extensão, da Starbucks, como um empregador magnânimo que oferece benefícios por pura boa vontade.

De acordo com um relatório do Politico de 2019, Schultz não introduziu o tão elogiado seguro de saúde da Starbucks para funcionários de meio período. Ele herdou essa política quando assumiu a empresa em 1987. O Politico explica que os funcionários da Starbucks haviam garantido cobertura para si mesmos no ano anterior, “ingressando no Sindicato dos Trabalhadores Comerciais e Alimentares e negociando um contrato”.



Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo