Cidadania

A Techstars está trazendo seu programa acelerador para a África. — Quartzo

Em junho, a MFS Africa comprou a Global Technology Partners, com sede em Oklahoma, em um acordo em dinheiro e ações no valor de US$ 34 milhões. Foi, como o Financial Times descreveu, um caso raro de uma empresa africana comprando uma fintech americana, ressaltando as ambições globais dos inovadores de tecnologia do continente.

Os investidores em tecnologia africana estão otimistas de que mais dessas empresas serão fundadas nos próximos anos, e é por isso que muitos estão interessados ​​em pegar jovens startups nos estágios de pré-seed e seed. Programas de aceleração, como o Techstars, com sede nos EUA, geralmente estão entre os primeiros a apostar em startups pré-seed. Depois de anos hospedando seus shows em Nova York, Toronto e Londres, a Techstars lançará seu primeiro acelerador africano em Lagos, Nigéria este ano.

Quartz conversou com Maëlle Gavet, CEO da Techstars, quando visitou Lagos em julho para entender os planos da empresa. A entrevista foi editada para maior extensão e clareza.

Quartz: Quais são as ambições da Techstars na África?

Maelle Gavet: Estamos na África desde 2011 e fizemos investimentos principalmente na Nigéria, Quênia, África do Sul e alguns outros lugares. Os fundadores africanos frequentaram os nossos programas de aceleração em Toronto, Nova Iorque e Londres. Mas começamos a pensar no ano passado sobre o melhor lugar para abrir nossos programas de aceleração na África e decidimos por quatro cidades: Lagos, Nairóbi, Joanesburgo e Cairo. Começaremos com Lagos e felizmente encontramos um parceiro na ARM, uma empresa nigeriana de gestão de investimentos. Estamos agora no processo de iniciar o programa em dezembro. Vamos executá-lo por alguns anos com ARM e descobrir como expandir para o resto do continente.

Quartz: Você já decidiu a estrutura do programa?

Gaveta: Se tudo dependesse de mim, faríamos algumas centenas de investimentos na África todos os anos, mas não estamos decidindo isso agora; estamos procurando parceiros. Existem muitos empreendedores e desafios que exigem a aplicação do espírito empreendedor. Não preciso ser vendido no mercado africano. O estágio em que estamos agora é como chegar da melhor maneira possível, e agora acreditamos em trabalhar com parceiros porque eles entendem o mercado local em um nível granular. Assim, na Nigéria, a ARM conhece muito bem a infraestrutura financeira e os reguladores, e tem uma estratégia pan-africana.

Quartzo: Vamos dar um passo para trás. O que uma aceleradora oferece aos fundadores de startups, além de dinheiro?

Gaveta: A maioria dos fundadores não acumulou o conhecimento e a experiência para ter sucesso por conta própria, e ninguém consegue sozinho. Oferecemos três coisas. O primeiro é o capital, e isso é absolutamente importante para pagar contas e administrar um negócio. O segundo é o que chamamos de programas e serviços que incluem o próprio programa de três meses, mas também eventos, treinamentos e outras formas de apoio estratégico que nossas startups podem acessar por toda a vida. Pense no programa de aceleração como um mini MBA executivo para empreendedores, ajudando um fundador a construir uma empresa com as melhores práticas. Finalmente, é a nossa rede; Eu o considero o melhor quando se trata de empreendedores do mundo.

Quartz: Que tipo de empreendedor você está tentando conseguir na Techstars?

Gaveta: Estamos à procura de fundadores imparáveis, aqueles que identificaram um problema e já estão fazendo tanto para resolvê-lo que estão dispostos a dedicar 10 anos de suas vidas a ele. Essa é uma mensagem que levamos muito porque, dado o que aconteceu na última década, alguns fundadores acham que podem construir uma startup hoje, ser um unicórnio em três anos e estar na praia no quinto ano. Isso não funciona.

Viemos para a África porque estamos procurando fundadores africanos. Achamos que há um grande grupo de fundadores imparáveis ​​por aí. E descobrimos que fundadores em dificuldades, que não receberam tudo desde o nascimento, tendem a ser mais resilientes, inovadores e capazes de pensar fora da caixa. Acreditamos que existem muitos desses tipos de fundadores na África e queremos ajudá-los a ter sucesso. Queremos que eles ganhem muito dinheiro para si e suas famílias, porque no final das contas, trata-se de criar riqueza geracional.

Quartzo: Quais setores lhe interessam?

Gaveta: O acelerador ARM é focado em fintech e proptech [property technology], principalmente para aproveitar a experiência e as conexões da empresa. Dito isso, acho que há uma grande oportunidade de fazer mais em tecnologia da saúde, tecnologia educacional, tecnologia agrícola e tecnologia alimentar. Queremos expandir nossa presença para criar outras aceleradoras nesses setores.

Quartz: O acelerador de Lagos será modelado após algum dos programas Techstars existentes?

Gaveta: Temos um padrão global que garante alguns pontos em comum entre os programas, e isso é importante para os fundadores porque você obterá o mesmo nível de qualidade em Nova York, Toronto ou Lagos. Entendemos também que existem especificidades regionais. Não conheço Lagos bem o suficiente, mas algo me diz que você não administra um negócio aqui da mesma forma que administra em Los Angeles. É por isso que teremos uma equipa local com um CEO para a Lagos Accelerator.

Quartzo: O que há para Techstars?

Gaveta: Dinheiro! Somos uma empresa de investimentos que encontra fundadores, os nutre com capital, recursos e redes para construir grandes empresas. Investimos em 20 empresas nigerianas e algumas delas agora valem mais de US$ 100 milhões. É dinheiro para os fundadores, para nós e para os sócios limitados do nosso fundo. O mundo VC tende a pescar na mesma pequena piscina, mas acreditamos que há um enorme oceano azul lá fora e nosso trabalho é encontrar os fundadores que constroem os próximos unicórnios da África.

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo