Cidadania

A Starliner pode restaurar a reputação de excelência em engenharia da Boeing? — Negócios Espaciais — Quartzo

Queridos leitores,

Bem-vindo ao boletim da Quartz sobre as possibilidades econômicas da esfera extraterrestre. Por favor, encaminhe amplamente e deixe-me saber o que você pensa. Esta semana: Starliner é o grande teste da Boeing, datas Artemis e energia nuclear no espaço.

A cápsula espacial Starliner da Boeing deve fazer sua terceira tentativa de chegar à Estação Espacial Internacional hoje, em uma demonstração antes de um voo de teste tripulado com dois astronautas a bordo.

A espaçonave, construída com o apoio da NASA como parte do programa de tripulação comercial, tem um histórico de erros. Seu primeiro voo de teste em 2019 não conseguiu chegar ao laboratório em órbita devido a bugs de software e falta de testes. Uma segunda tentativa em 2021 levou os engenheiros a descobrir válvulas defeituosas, cuja correção exigiu meses de pesquisa. O atraso e o trabalho adicional custaram à empresa pelo menos US$ 585 milhões.

A saga Starliner é emblemática dos problemas recentes da gigante aeroespacial, assim como o 737 Max e o navio-tanque KC-46. Três anos seguidos de perdas (a pandemia também não ajudou a vender aviões) ajudaram suas ações a cair 70% desde o pico no início de 2019. A reputação da empresa como centro de excelência em engenharia e gerenciamento de programas deu um passo para trás.

Se tudo correr conforme o planejado hoje, seria um impulso para a empresa. Mas não será o fim dos desafios deste projeto. Um grupo de conselheiros de segurança independentes da NASA alertou na semana passada que a Boeing ainda está trabalhando nos problemas do pára-quedas e deve levar algum tempo para o teste de voo tripulado. Eles também se preocuparam com o fato de a Boeing estar executando o programa com pessoal mínimo e ainda debater o redesenho dessas válvulas adesivas em algum momento antes do primeiro voo tripulado.

Dependendo da quantidade de marcação incorporada em suas ofertas, parece provável que a Boeing esteja perdendo dinheiro com a Starliner. Isso pode não mudar tão cedo. A SpaceX está vendendo passeios em seu Dragon para cidadãos e empresas, mas o Starliner terá dificuldade em fazer o mesmo: ele foi projetado para voar no foguete Atlas V da ULA e oito foram reservados para o trabalho, dois para voos de teste restantes. . e seis para transportar astronautas para a Estação Espacial Internacional durante o serviço normal.

Não há mais foguetes Atlas V para atribuir a novas missões. Para voar com clientes pagantes (ou se algo der errado nos voos de teste finais), a ULA precisaria atualizar seu novo foguete, o Vulcan, para transportar passageiros com segurança, ou a Boeing teria que descobrir como lançar o Starliner no foguete de um concorrente . .

Tudo isso é um grande risco para a Boeing; na verdade, o risco de que a NASA intencionalmente transforme a empresa como parte do processo de aquisição. O programa de tripulação comercial é um contrato de preço fixo que incentiva as empresas a serem o mais eficientes possível. Mas, embora seja bom ver alguém além dos contribuintes no gancho por má gestão e erros, as lutas da Boeing são uma justificativa e uma ameaça ao futuro desse modelo.

Quando a Boeing tentou construir o Starliner, foi um grande momento para o modelo de parceria público-privada de preço fixo para a construção de equipamentos espaciais: uma potência tradicional da NASA (e seu exército de lobistas) juntando-se aos iniciantes. Poucos esperavam que a Boeing enfrentasse as dificuldades que tem. Lori Garver, uma das principais autoridades da NASA quando esses programas foram projetados, disse na semana passada que, em sua opinião, a Boeing não aceitaria o desafio em retrospectiva.

Vamos esperar que os executivos da Boeing pensem que podem fazer um trabalho melhor em sua próxima tarefa de preço fixo, ou pelo menos sintam que os generosos pagamentos da NASA para construir o Sistema de Lançamento Espacial compensem parte da perda do Starliner. A agência espacial dos EUA (e sua indústria espacial) precisa de um concorrente da SpaceX, e até agora nenhum dos concorrentes óbvios se apresentou. A Boeing tem capital e experiência, mas hoje precisa mostrar que pode executar.

Assista ao voo de teste do Starliner, previsto para ser lançado às 18h54 ET de Cabo Canaveral, na TV da NASA.

O outro produto do programa de tripulação comercial da NASA, o SpaceX Crew Dragon, foi recuperado do Golfo do México em 6 de maio, depois que quatro astronautas retornaram da ISS. Como você pode ver pelo exterior carbonizado, o sistema de proteção térmica funciona bem em sua viagem de retorno à Terra.

SpaceX Crew Dragon Endurance se recupera do Golfo do México.

Direitos autorais da imagem: NASA/Aubrey Gemignani

Desconstruindo a dislexia. Desde que a dislexia foi identificada pela primeira vez na década de 1870, psicólogos, professores, políticos e pais questionaram sua definição, suas causas e até mesmo sua própria existência. Como resultado, a dislexia agora é conhecida por mitos duradouros, que a ciência está finalmente começando a desmascarar. Saiba mais com o episódio desta semana do podcast Quartz Obsession.

Escuta: Podcasts da Apple | Spotify | Google | agrafador

DETRITOS ESPACIAIS

Grandes esperanças para Artemis-1. Os testes finais do foguete lunar da NASA, o Space Launch System, foram adiados até junho, mas a agência ainda espera que ele vá para o espaço profundo em agosto. Em caso de mais atraso, os planejadores da NASA estão analisando as datas no primeiro semestre de 2023 para esta missão, que era originalmente esperada para 2016.

Uzbequistão pede internet espacial. O governo do Uzbequistão é o mais recente a começar a trabalhar com Starlink e OneWeb da SpaceX para trazer conectividade via satélite para seu país. O acesso ao mercado é um dos desafios mais difíceis para as empresas que implantam grandes redes de satélites em órbita baixa da Terra, que precisam de clientes em todo o mundo para evitar o desperdício de capacidade.

O DOD apoia novos empreendimentos espaciais nucleares. Algumas startups receberam financiamento da Unidade de Inovação em Defesa para avançar no uso da energia nuclear no espaço. Uma empresa, a Ultra Safe Nuclear Technologies, está construindo uma bateria nuclear mais poderosa para veículos espaciais, enquanto outra, a Avalanche Energy, quer usar a tecnologia de fusão para impulsionar naves espaciais.

Cultivando a Lua. Os cientistas cultivaram plantas em amostras de solo lunar trazidas pelos astronautas da Apollo. Embora as estufas lunares ainda estejam longe, o experimento pode abrir caminho para a produção agrícola na Lua e lançar luz sobre técnicas de cultivo de plantas em solo duro aqui na Terra.

faixa de corrente Os construtores de satélites ainda sofrem com o atraso nas cadeias de suprimentos de componentes-chave, como chipsets e rádios, e os contratados da Agência de Desenvolvimento Espacial dos EUA estão trocando peças de seus estoques apenas para colocar seus satélites no espaço a tempo.

anúncio da alameda. O dinheiro despejado em SPACs espaciais tem ainda para produzir um negócio vencedorMas, além do potencial de inovação de longo alcance além do nosso planeta, parte desse dinheiro está tendo um impacto terrestre concreto: o Astra Space, por exemplo, está ajudando a reconstruir uma base naval fechada na Baía de São Francisco.

teu amigo,

Tim

Esta foi a edição 133 da nossa newsletter. Espero que sua semana seja de outro mundo! Envie documentos financeiros internos da Starliner, dados de pressão do motor no motor BE-4, dicas e opiniões enviadas para [email protected]



Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo