Cidadania

A Somália mudou a cara das transferências de dinheiro em todo o mundo — Quartz Africa

O mercado de transferência de dinheiro da Somália é um dos mais desenvolvidos do mundo, caracterizado por uma grande diáspora que envia para casa bilhões de dólares em remessas a cada ano e uma população local que prefere dinheiro móvel a dinheiro.

Os dados mais recentes do Banco Mundial em 2017 sugerem que 73% da população com mais de 16 anos usa serviços de dinheiro móvel, tornando a Somália um dos mercados mais dinâmicos da África e do mundo.

Apesar de ter sido introduzido há apenas 10 anos, mais de dois terços de todos os pagamentos na Somália agora dependem de plataformas de dinheiro móvel.

Embora a Hormuud, principal provedora de dinheiro móvel da Somália, tenha recebido a Certificação GSMA Mobile Money apenas em março, um padrão global de excelência em telecomunicações, o país mudou a face das transferências de dinheiro em todo o mundo há décadas. .

Os principais fatores por trás da inovação do país em transferências de dinheiro são um ambiente operacional difícil, um sistema bancário fraco, falta de implementação de políticas e uma profunda desconfiança do governo e da moeda local.

É a cultura da nossa comunidade, somos ousados. Devido aos desafios, tivemos que explorar novas ideias.

As inovações vão desde a adoção antecipada do sistema Hawala até a ascensão global de empresas de transferência de dinheiro com sede na Somália, incluindo World Remit e Dahabshill.

“Qualquer um que tenha um telefone celular tem serviços de dinheiro móvel”, diz Abdullahi Rage, analista de pesquisa baseado em Mogadíscio no Centro Africano para Progresso Estratégico, um think tank americano.

“O problema na Somália é que faltam dados, é difícil obter um número exato. Mas eu diria que mais de nove em cada 10 pessoas usam dinheiro móvel na Somália.”

O mercado desafiador da Somália prepara o terreno para a inovação

A Somália tem sido um mercado desafiador, com profundas divisões no governo que muitas vezes se espalham por conflitos armados e partes do país sob o controle do grupo terrorista al-Shabaab. Mas esses problemas criaram o foco perfeito para soluções inovadoras, especialmente quando se trata de fintech.

“É a cultura da nossa comunidade, somos ousados. Devido aos desafios, tivemos que explorar novas ideias”, diz Ahmed Mohamed Yuusuf, CEO e Presidente da Hormuud, uma das maiores empresas de telecomunicações da Somália, com 4,5 milhões de assinantes.

A primeira inovação foi a adoção precoce do sistema de transferência de dinheiro hawala, que se originou na Índia do século VIII e se espalhou para o Chifre da África e o Oriente Médio. O serviço permite que os usuários enviem e recebam dinheiro em diferentes países por meio de uma rede informal de intermediários, sem que os fundos cruzem fronteiras.

Esse método de transferência de dinheiro era popular na Somália antes do dinheiro móvel e continua até hoje, com a maioria dos corretores entrando no setor formal de telecomunicações. Yuusuf diz que até 45% dos agentes hawala na Somália, principalmente processando pagamentos dos EUA e do Reino Unido, usam o dinheiro móvel EVC Plus da Hormuud para fazer negócios.

O presidente do grupo diz que foram os altos custos, ineficiências e barreiras estruturais associadas ao sistema bancário herdado da Somália que anteriormente levavam as pessoas à rede hawala e o mesmo vale para o dinheiro móvel.

Um mercado como nenhum outro

A Somália tem um mercado de dinheiro móvel extremamente competitivo, com muitos pequenos players, em vez de algumas grandes empresas, como outros mercados na África. Em comparação com mercados vizinhos como o Quênia, que abriga o M-Pesa da Safaricom, um dos serviços de dinheiro móvel mais conhecidos da África, o dinheiro é transferido em dólares e a maioria das empresas de telecomunicações não cobra uma taxa pelas transferências.

Quando a Hormuud lançou o EVC Plus em 2011, Yusuuf diz que eles o tornaram um serviço gratuito para incentivar os somalis a adotar a fintech. Em vez de usar o EVC Plus para gerar receita, ele é usado para integrar clientes a outros serviços, como dados e voz.

A versão de remessa do EVC Plus, no entanto, é um serviço pago. Yusuuf diz que é frequentemente usado por organizações humanitárias para ajudar a entregar ajuda à Somália. Mais de US$ 200 milhões foram enviados para a Somália nos últimos meses na plataforma, enquanto o país sofre sua pior seca em décadas, com mais de 4 milhões de pessoas em risco de fome.

Na verdade, a Somali tem um setor de remessas dinâmico com mais de 2 milhões de cidadãos que vivem fora do país da África Oriental. O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento estima que US$ 1,6 bilhão seja enviado para a Somália a cada ano, quase um terço do PIB do país, que era de US$ 5,42 bilhões em 2021.

Uma das empresas mais conhecidas a surgir da Somália é a World Remit, uma empresa de transferência de dinheiro que foi fundada em 2009 por um empresário da Somália que ficou frustrado com a falta de opções de remessa quando chegou ao Reino Unido como refugiado.

Não temos um documento de identidade nacional atual e, portanto, identificar clientes foi um desafio.

Os somalis também transferem dinheiro entre contas móveis em dólar, pois o xelim somali é altamente instável e o FMI diz que cerca de 98% da moeda local em circulação é falsificada. A falta de fé no dinheiro físico é outra razão importante pela qual o dinheiro móvel tem tido tanto sucesso na Somália, levando a uma situação em que substituiu quase completamente o xelim somali em algumas partes do país.

Pesquisas mostram que a Somália processa cerca de 155 milhões de transações por mês em uma população de apenas cerca de 17 milhões de pessoas. A maioria das pessoas mantém seu dinheiro em uma carteira digital em vez de um banco físico.

A falta de fiscalização é uma preocupação

No entanto, um dos principais problemas do mercado doméstico é a falta de regulamentação para o dinheiro móvel. Instituições fracas e risco político contínuo atrasaram uma legislação forte que pode regular o setor de dinheiro móvel para garantir que beneficie os consumidores e o país.

Isso levantou preocupações de que o dinheiro móvel esteja sendo usado para financiamento ilícito e para apoiar a al-Shabaab.

“É um desafio controlar o fluxo de dinheiro dentro e fora do país”, diz o analista Rage. “Mas as empresas privadas estão fazendo o possível para pelo menos ter freios e contrapesos.”

Um bom exemplo é o Hormuud, que recebeu a primeira certificação GSMA Mobile Money da Somália em março. A certificação da organização líder mundial do setor é um marco para o setor de telecomunicações da Somália e coloca a Hormuud entre os principais provedores de dinheiro móvel na África em termos de segurança e proteção.

O CEO diz à Quartz que a empresa teve que atender a 350 critérios diferentes e que os requisitos de conhecer seu cliente (KYC) foram os mais difíceis de atender.

“Não temos uma identidade nacional atual e, portanto, identificar os clientes foi um desafio”, diz ele. “Mas existem outros mecanismos, por exemplo, registros fornecidos por autoridades locais.”

Um dos principais desafios foi garantir que os padrões rigorosos exigidos pela GSMA não desencorajassem a inclusão financeira dos somalis que não têm acesso à identificação formal. A solução foi reduzir o valor máximo que usuários não identificados poderiam manter em uma carteira digital para US$ 300, o que reduziu a probabilidade de ser usada para financiamento ilícito.

Apesar da falta de um órgão regulador forte, Yuusuf diz que houve algumas melhorias recentes. O banco central da Somália concedeu a primeira licença de dinheiro móvel da Hormuud Somália em 2017, um sinal para os investidores de que o mercado local está amadurecendo. Também introduziu um sistema de pagamento central em agosto que permite pagamentos digitais entre bancos na Somália, facilitando os pagamentos para pessoas em todo o país.

Tornando-se digital na Somália

O maior desafio para a indústria de telecomunicações da Somália é a transição de telefones analógicos para smartphones. O Banco Mundial descobriu que 49% da população possuía um telefone celular em 2019, mas a maioria dos telefones eram telefones comuns usando a tecnologia USSD para acessar dinheiro móvel.

“Não é digital, não é baseado na Internet”, diz Rage. “A penetração móvel no país é alta em comparação com a baixa penetração da internet.”

Isso representa um desafio para as empresas de telecomunicações interessadas em introduzir dados como um fluxo de geração de receita. O CEO da Hormuud diz que atualmente está investindo pesadamente em fibra ótica para garantir que “todas as famílias tenham acesso à internet”.

“A voz está morrendo. Coisas como WhatsApp e outros aplicativos estão chegando, então nosso foco agora é expandir e monetizar os serviços de dados”, afirma.

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo