Cidadania

A Rússia sabotou o gasoduto da Europa? — Quartzo

Em várias ocasiões desde julho, a Rússia interrompeu o fluxo de gás natural através do Nord Stream 1, o principal gasoduto que fornece gás para a Europa. As autoridades russas a princípio chamaram de manutenção de rotina, depois culparam as sanções. Os fechamentos, embora ameaçando a capacidade da Europa de operar fábricas e aquecer casas neste inverno, foram temporários e reversíveis. Mas agora parece certo que o gasoduto, e seu recém-construído e nunca usado Nord Stream 2 gêmeo, ficará fora de serviço por pelo menos meses, se não anos.

Em 27 de setembro, as autoridades dinamarquesas e suecas relataram três buracos “realmente grandes” nos oleodutos, dois no NS1 e um no NS2, que correm debaixo d’água pelo Mar Báltico. A causa dos vazamentos não foi confirmada, mas de acordo com oficiais europeus provavelmente foi um ato de sabotagem da Rússia. O tubo em si é de aço, com 1,6 polegadas de espessura, envolto em outros 4 polegadas de concreto. Embora os arrastões de pesca ocasionalmente danifiquem as linhas de telecomunicações submarinas, é praticamente impossível para eles fazerem a mesma coisa em três locais separados nesses oleodutos robustos no mesmo dia. sismólogos dinamarqueses relatou pelo menos duas explosões submarinas na hora dos vazamentos. como um oficial alemão colocá-lo:: “A nossa imaginação não tem mais cenário em que este não possa ser um ataque direcionado”.

A Rússia sabotou o gasoduto Nord Stream?

O NS1 já estava offline, aparentemente devido a sanções, portanto os vazamentos não alteram a disponibilidade de gás no mercado europeu a curto prazo. (O gás que agora vazava para o mar tinha sido alimentado nos oleodutos para mantê-los pressurizados.) A Rússia sempre poderia ter mantido os oleodutos fechados, é claro, mas alguns analistas sugeriram que a Rússia pode ter um motivo econômico para danificá-los. Explosões misteriosas permitiriam à Rússia culpar os vazamentos força maior, com o fim de uma escapando de reivindicações legais de vários milhões de dólares pelas concessionárias europeias que se sentem enganadas pelos fechamentos do NS1.

Entre outros oleodutos e embarques de GLP dos EUA e de outros lugares, a Europa conseguiu preencher 88% de sua capacidade de armazenamento de gás antes do previsto. Mas o mercado neste inverno permanecerá muito apertado, e os contratos futuros para o próximo ano saltaram imediatamente após a descoberta dos vazamentos.

Se os vazamentos fossem de fato o produto da sabotagem russa, realizada por submarino, drone submarino não tripulado ou mergulhadores de combate— poderia ter sido realizado para intensificar a agressão da Rússia à UE, que até agora se concentrou no uso econômico da energia como arma, mas se absteve de alcançar operações militares ou violência tangível. Também pode ser uma ameaça a outros oleodutos submarinos na Noruega ou na Argélia; danos a esses oleodutos agravariam significativamente a escassez de gás na Europa. As autoridades norueguesas já estão reforçando a segurança em torno da infraestrutura de petróleo e gás.

Os vazamentos deixarão os oleodutos offline por meses, no mínimo. Seu operador disse em comunicado que “agora é impossível estimar o prazo para a restauração das operações”. Se e quando os oleodutos forem reparados, não se sabe se a Rússia irá cooperar no seu preenchimento. Com as soluções de longo prazo da Europa para minimizar a dependência do gás russo, como a construção de mais terminais de importação de GNL, que levam anos para serem concluídas, os vazamentos confirmam que este inverno será apenas o primeiro de vários com preços crescentes do gás, energia e perturbações econômicas.



Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo