Cidadania

A NASA sempre precisou de empresas espaciais privadas para ir à lua – Quartz

[ad_1]

“Chegamos à lua sem empreiteiros privados, se não me engano”, disse o representante dos EUA. Jamaal Bowman disse ontem, o que me fez desabar em uma pilha de espuma. O administrador da NASA, Bill Nelson, teve uma resposta mais calma: “No programa Apollo, Sr. Congressista, pousamos na Lua com empresas americanas.”

Uma dúzia de grandes empresas americanas trabalharam em estreita colaboração com a agência espacial americana para construir os veículos que trouxeram os primeiros humanos à superfície lunar. Os cientistas e engenheiros da NASA planejaram a missão e a tecnologia necessária para realizá-la e, em seguida, trabalharam com as empresas de tecnologia mais avançada da atualidade para produzir foguetes, cápsulas, sondas, trajes e rovers. Não há dúvida de que o Apollo foi um grande programa de governo, mas o setor privado foi essencial.

Por que essa história é importante? Na última década, o programa espacial dos EUA fez grandes avanços ao distribuir mais trabalho diretamente para empresas privadas. Em vez de projetar um novo veículo espacial para transportar carga ou astronautas para a Estação Espacial Internacional e contratar alguém para construí-lo, a NASA comunicou efetivamente suas necessidades ao mercado e aceitou propostas de empresas que não apenas projetariam a espaçonave, mas também operariam como um serviço. Essa escolha lançou a SpaceX e uma nova era de espaço para o setor privado nos Estados Unidos.

A lógica deste tipo de associação baseia-se em vários fatores: são tarefas que já vinham sendo realizadas, abrindo caminho para que novas organizações as realizem com mais facilidade. As empresas privadas agora estão dispostas a investir seu próprio capital junto com o governo, economizando dinheiro público. Eles podem assumir mais riscos e usar técnicas de gerenciamento de programas mais avançadas do que os programas administrados pelo governo.

E parecem aumentar a responsabilidade dos contribuintes quando as coisas dão errado: a NASA arca com o custo adicional do foguete SLS, um programa tradicional, há muito atrasado e orçado em excesso pela Boeing; a mesma empresa está pagando centenas de milhões de dólares para testar novamente sua espaçonave Starliner, adquirida por meio de uma parceria público-privada.

Enquanto os Estados Unidos planejam seu retorno à lua, um debate está surgindo sobre o papel das empresas privadas. A NASA os contratou para fazer de tudo, desde o envio de robôs à superfície lunar até o desenvolvimento de sondas que levarão os humanos até lá. Na Câmara, legisladores como o presidente do comitê científico, Eddie Bernice Johnson, estão céticos de que as empresas possam assumir essas tarefas. Esta não é uma preocupação louca: pousar em outro corpo astronômico é um desafio maior do que voar na órbita baixa da Terra, e há muito menos clientes não governamentais óbvios no mercado de trânsito lunar.

Por enquanto, a NASA tem um contrato com a SpaceX de Elon Musk para construir módulos lunares. O Blue Origin de Jeff Bezos está desafiando a eleição do governo, atrasando todo o programa até pelo menos agosto. A disputa corporativa e a decisão das duas empresas de se promoverem como projetos pessoais de seus polêmicos fundadores bilionários levaram os oponentes a retratar as parcerias da NASA como doações corporativas. Mas não se engane: a alternativa ainda é dinheiro para as empresas, provavelmente muito mais e com menos restrições.

Uma versão desta história foi publicada originalmente no boletim informativo do Quartz’s Space Business.

[ad_2]

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo