Cidadania

A leitura biônica funciona? Tipógrafos e cientistas pesam: Quartzo

E se houvesse uma maneira rápida e fácil de aprender a ler com mais eficiência?

É isso que o Bionic Reading pretende fazer. A metodologia, desenvolvida pela primeira vez em 2016, busca ajudar adultos distraídos a melhorar a forma como analisam informações colocando algumas letras em negrito dentro de um bloco de texto. Esse truque tipográfico supostamente reduz o tempo que nosso cérebro precisa para processar dados.

A técnica já recebeu muita atenção nas redes sociais. Com a promessa de uma leitura mais rápida, melhor, mais profunda e sem distrações, o Bionic Reading também recebeu atenção considerável da imprensa. Seu endosso mais proeminente até agora é um destaque no site do Fórum Econômico Mundial.

Mas para alguns, o tom de Bionic Reading parece bom demais para ser verdade. Agora, vários especialistas em design de tipos e pesquisadores estão questionando sua eficácia.

a reivindicação

Processar alguns caracteres destacados (que seu criador, o empresário suíço Renato Casutt, chama de “pontos de fixação”) nos ajuda a ler mais rápido porque não precisamos processar palavras inteiras. Nossos cérebros, em teoria, completam palavras e frases antes que nossos olhos possam terminar de lê-las.

Embora o pitch do Bionic Reading para leitores sobrecarregados seja carregado de referências à neurociência, o método de leitura ainda precisa passar por uma avaliação científica rigorosa.

Casutt lançou sua grande ideia depois de testá-la com apenas um pequeno grupo de 12 leitores, e mesmo assim as descobertas foram inconclusivas. “Os resultados não são claros”, revela em seu site, descrevendo um estudo financiado pela aceleradora suíça Innosuisse. “Mas pode-se dizer que a maioria teve um efeito positivo. Claro que também havia probandos [subjects] que acharam o efeito perturbador”, provavelmente incomodado com as irregularidades na tela gráfica.

leitura biônica

AI gerou “pontos de fixação”.

O Bionic Reading, que está disponível tanto como API quanto como extensão do Google Chrome, é especialmente atraente para pessoas com dislexia, diz Casutt, embora ele revele que não foi testado explicitamente nessa população de leitores. Casutt diz que está moldando a leitura biônica com base principalmente em evidências anedóticas da comunidade neurodivergente, referindo-se a usuários com dislexia ou transtorno de déficit de atenção/hiperatividade nas mídias sociais.

chutando os pneus

Enquanto isso, os fundadores do aplicativo de organização de conteúdo Readwise conduziram recentemente um estudo piloto informal e não revisado por pares depois de serem bombardeados por pedidos para integrar o Bionic Reading à plataforma. “Este não é apenas um pedido único. He recibido más tuits, mensajes directos, correos electrónicos, mensajes de Discord y respuestas a encuestas en nuestro historial solicitando, no, endiabladamente, que implementemos Bionic Reading en nuestra nueva aplicación de lectura”, escribe Daniel Doyon, cofundador de Readwise, en un artículo de junho. 21 blogues.

Como um projeto de hackathon, Doyon e o desenvolvedor de software Mati Tucci criaram um experimento rápido para determinar se o método Bionic Reading ajudava as pessoas a ler mais rápido ou melhor. No entanto, o experimento mostrou apenas ganhos mínimos: os 61 participantes que fizeram o teste de leitura de 20 minutos viram apenas uma melhora marginal de 4% na velocidade de leitura e uma diminuição na compreensão. “Não há evidências suficientes para dizer que a velocidade média de leitura do Bionic Reading seja significativamente diferente da velocidade média de leitura do [text displayed in the regular version of the font] Garamond”, relata Doyon.

A Readwise está atualmente realizando outro experimento público para melhorar ainda mais sua compreensão da Bionic Reading, o que afetará a incorporação da Bionic Reading em sua plataforma.

Casutt não se deixa intimidar pelos céticos. Para ele, basta atenção nas redes sociais. “Bionic Reading se tornou viral: mais de 7 milhões de visualizações no TikTok [on] apenas uma postagem; [It has been] foi curtido e compartilhado milhões de vezes no Twitter”, explica ele ao Quartz em um e-mail. “Eu não acho que o Bionic Reading teria se tornado viral se não tivesse um impacto positivo nos leitores. Milhões de pessoas, inclusive eu, acreditam que a leitura biônica funciona.”

Mais testes, diz ele, virão, embora não seja uma prioridade. “É claro que desenvolveremos um estudo explícito sobre leitura biônica dentro da comunidade de TDAH, mas não hoje ou amanhã”, acrescenta Casutt. “Estudos sobre como nós humanos lemos existem em um número muito, muito grande.[s].”

Desmascarando fontes milagrosas

Esta não é a primeira vez que uma fonte faz grandes promessas que alguns duvidam que possam cumprir..

Em seu blog Type Guru, o designer de tipos alemão Ralf Herrmann sugere que o Bionic Reading poderia espelhar o Sans Forgetica, um tipo de letra que se tornou viral em 2018 por prometer melhorar nossa memória, tornando o texto intencionalmente difícil de ler. Concebida por uma equipe de designers e cientistas comportamentais do Royal Melbourne Institute of Technology University, sua eficácia foi refutada por um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Warwick e da Universidade de Waikato, na Nova Zelândia, em 2020. Suas descobertas, publicadas na revista Memória, eles sugerem que Sans Forgetica não se saiu melhor do que o antigo Arial quando se tratava de retenção de informações.

Universidade RMIT

A sensação tipográfica de 2018: Sans Forgetica.

Mevagh Sanson, pesquisador da Universidade de Waikato e um dos autores do estudo Sans Forgetica, diz que uma série de experimentos são necessários para fundamentar as afirmações da Bionic Reading.

“Até que sejam publicadas demonstrações empíricas revisadas por pares da eficácia da leitura biônica, recomendamos que as pessoas confiem mais em intervenções que tenham uma forte base científica para melhorar sua capacidade de lembrar o que lêem”, explica ele em um e-mail para Cuarzo. “[Esto incluye]leia em voz alta ou espaço ao reler as informações.”[Istoinclui}aleituraouoespaçamentoquandoelesreleemasinformações”[Thisincludes}readingaloudorspacingoutwhentheyre-readinformation”

Sanson acrescenta que a atitude de um leitor em relação ao Bionic Reading, digamos, depois de ler depoimentos brilhantes nas mídias sociais, também pode influenciar sua eficácia. “Se as pessoas esperam que ‘passagens biônicas’ as ajudem, elas podem se esforçar mais, por exemplo, e se sentir melhor sobre seu desempenho de leitura, essencialmente criando uma profecia auto-realizável sobre os efeitos positivos da leitura biônica que, na verdade, tem pouco a ver com as propriedades visuais da passagem”.

“Em geral, há uma troca cognitiva entre processar informações mais rapidamente e processar informações de forma mais profunda ou abrangente”, explica Sanson. “Você não pode realmente melhorar os dois ao mesmo tempo.”



Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo