Cidadania

A Lei de Mercados Digitais da Europa não derrubará as grandes tecnologias: Quartzo

[ad_1]

Enquanto os promotores dos EUA aumentam os processos antitruste contra grandes empresas de tecnologia, a União Europeia está preparando sua próxima onda de processos antitruste. Em 15 de dezembro, o bloco começará a considerar formalmente a Lei dos Mercados Digitais, que daria aos reguladores novo poder de fogo para buscar plataformas digitais por supostas práticas anticompetitivas.

Os novos regulamentos visam “empresas de controle”, que proíbem as empresas de usar táticas injustas, como dar aos seus próprios produtos tratamento especial nas plataformas que controlam (👀 Google e Apple) ou usar dados não públicos coletados de fornecedores terceiros para informe suas próprias linhas de produtos concorrentes (👀 Amazon). Embora as leis provavelmente mantenham os advogados corporativos das firmas FAANG ocupados, elas provavelmente não resultarão em nenhuma mudança fundamental no funcionamento das plataformas online mais poderosas do mundo – todos os olhos estão voltados para os tribunais americanos.

As empresas de controle de acesso que violarem as regras europeias propostas enfrentarão um cronograma cada vez maior de multas e a ameaça de os reguladores reestruturarem seus negócios na Europa. (De acordo com a Bloomberg, a lei definirá formalmente os guardiões em termos de receita, número de usuários e seu domínio no mercado único europeu, e solicitará aos reguladores que revisem e atualizem a lista regularmente.) Isso parece sério, mas a ameaça não é nova. Os reguladores europeus já têm o poder de reestruturar as empresas em resposta às preocupações antitruste e estão relutantes em usá-lo.

“A noção de rompimento é completamente estranha aos europeus, porque é claro que eles estão preocupados por serem grandes empresas americanas para as quais não se pode realmente alcançar um rompimento global”, disse a advogada antitruste Cristina Caffarra, que comanda a ala. Concurso europeu da consultoria Charles River Associates. A reorganização corporativa, em outras palavras, depende dos americanos.

As multas de bilhões de dólares também não mudaram os modelos de negócios das grandes empresas de tecnologia até agora. Os tribunais europeus já multaram o Google em quase US $ 10 bilhões em três processos antitruste separados. Demandas desafiou o domínio do Google de anúncios digitais, sua prática de elevar sua própria ferramenta de compras nos resultados de pesquisa e os acordos que fez com fabricantes de smartphones para instalar seu sistema operacional Android em praticamente todos os dispositivos que não eram smartphones. Manzana. A empresa ainda não mudou significativamente essas práticas.

“Multas pesadas não vão, nem mudaram, as empresas estruturalmente”, disse Michelle Meagher, pesquisadora sênior de políticas da University College London que trabalhou com reguladores nacionais e empresas privadas em leis antitruste. “E é isso que precisa mudar se você quiser mudar o equilíbrio de poder.”

Caffarra e Meagher concordam que os casos antitruste que podem realmente afetar a forma como as grandes empresas de tecnologia fazem negócios terão que acontecer nos Estados Unidos, onde estão as maiores empresas. Promotores americanos lançaram recentemente dois processos contra o Google e o Facebook, e espera-se que mais processos sejam apresentados nas próximas semanas, de acordo com o Wall Street Journal.

“Sempre foi geopoliticamente difícil para a Europa liderar porque há todas essas reclamações dos Estados Unidos de que se trata de uvas amargas por não termos nossos próprios gigantes europeus da tecnologia”, disse Meagher. “É útil agora que os Estados Unidos estão percebendo isso porque permitirá que tudo o que vemos fora da comissão seja mais forte do que provavelmente seria se não houvesse nenhuma ação nos Estados Unidos.”

[ad_2]

Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo