Cidadania

A Índia deve superar muitos obstáculos para se tornar zero emissões líquidas até 2070 — Quartz India

A Índia estabeleceu uma enorme meta de emissões. Alcançar isso, no entanto, pode ser outra coisa.

Falando em uma discussão focada na Índia em 20 de setembro à margem da 77ª Assembleia Geral das Nações Unidas (AGNU), alguns palestrantes indianos (formadores de políticas e executivos do setor privado) pensaram que a Índia poderia se tornar zero líquido mesmo antes do prazo de 2070 estabelecido pelo primeiro-ministro. ministro. Narendra modi

Zero líquido, ou tornar-se neutro em carbono, significa não adicionar gases de efeito estufa à atmosfera.

Barreiras à Índia tornam-se zero líquido

Especialistas em clima, embora sugiram que o terceiro maior emissor de gases de efeito estufa depois da China e dos EUA provavelmente pode fazê-lo, apontam para obstáculos.

“A Índia acabou de definir uma meta líquida zero… mas carece de metas e trajetórias concretas para o setor… e marcos e metas de curto prazo. A Índia tem muito trabalho a fazer”, disse Sunil Dahiya, analista do Centro de Pesquisa em Energia e Ar Limpo (CREA), ao Quartz.

Ele observou que a Índia “não tem uma direção clara para se afastar dos combustíveis fósseis”. Por exemplo, ainda depende muito do carvão.

A Índia deve “inventar um método de progresso completamente novo, o que será extremamente difícil”, disse Gurmit Singh Arora, presidente nacional do Conselho Indiano de Construção Verde da Confederação das Indústrias Indianas (CII).

“O novo método pode ser verde e sustentável sem prejudicar o crescimento? É plausível e favorável ao clima?” perguntou Aora.

A demanda por esse novo sistema chega em um momento em que o país abriga algumas das cidades mais poluídas do mundo e responde por um grande número de mortes relacionadas à poluição.

Outra área de preocupação é o financiamento. “O obstáculo da Índia é a disponibilidade de fundos e tecnologias futuras”, disse Nidhi Aggarwal, fundador do Spacemantra, um mercado online de design de interiores e construção.

Para atingir sua meta até 2070, a Índia precisa de um investimento de US$ 10,1 trilhões a partir de agora, de acordo com um relatório intitulado Levando a Índia a zero líquido em Agosto mostrou. Se o prazo for adiantado para 2050, o valor sobe para 13,5 trilhões de dólares.

Há também a questão das transições de energia justas.

“A principal preocupação será garantir que o crescimento seja justo e equitativo e que os pobres do país não percam o direito de avançar neste futuro de energia renovável”, disse Aggarwal.

O caminho a seguir para a Índia

No entanto, nada é impossível.

“A eletrificação rápida para o desenvolvimento e o foco na eletrificação verde farão com que a Índia alcance (a meta de emissões) mais rapidamente”, disse Vineet Mittal, presidente do Avaada Group, um desenvolvedor de energia renovável com sede em Mumbai. “Transmissão, distribuição e armazenamento precisariam de melhorias rápidas, com uma estratégia de eletrificação verde”.

Os setores dependentes de carvão da Índia devem priorizar cada vez mais as fontes de energia não fósseis, disse Arora, da CII. Além disso, disse ele, novas soluções de mobilidade, transporte público aprimorado e hidrogênio verde industrial também devem ser acelerados.

Mais importante ainda, um quadro político forte e eficaz é essencial, disse Dahiya do CREA. “A Índia ainda carece de uma direção setorial clara e metas para os setores poluidores”, disse ele.

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo