Cidadania

A fintech está protegida contra golpistas online na África? – Quartz Africa


James Uche lembra como lutou freneticamente contra o prazo para enviar um certificado de proficiência em inglês a fim de obter uma bolsa de bacharelado em biotecnologia na Universidade McMaster, no Canadá.

Toda a sua viagem a McMaster foi patrocinada pela St. Michael Foundation. Quando ele ofereceu sua bolsa internacional em meados de janeiro, a fundação deu-lhe duas opções para cumprir o requisito de inglês. Você pode fazer o International English Language Testing System, ou IELTS, um teste padronizado comum para falantes não nativos de inglês, ou uma alternativa recomendada por St. Michael. Chamado de Exame Internacional de Proficiência em Inglês Online (OIEPE), foi apresentado em seu site como o exame de língua inglesa líder mundial para estudos internacionais, trabalho e imigração, aceito por mais de 11.000 universidades em mais de 150 países.

Tudo que Uche precisava era seguir um link fornecido pela fundação para criar um perfil e pagar a quantia de 10.500 naira (cerca de US $ 25) por meio da startup de pagamentos digitais Paystack para gerar o pino de acesso de teste. Nas duas primeiras vezes que você tentou, o PIN expirou logo depois que você o recebeu. Ansioso por perder a bolsa, ele usou outro e-mail para criar um novo perfil e o cartão de débito de sua mãe para pagar novamente, gastando um total de US $ 75. Cada vez, ele recebia um recibo da Paystack.

Uche teve sucesso em sua terceira tentativa. O teste levou menos de uma hora e ele acertou 57%, bem acima dos 40% exigidos para sua bolsa. Ele recebeu seu certificado de proficiência em inglês por e-mail algumas horas depois, assinado pelo presidente e CEO da OIEPE. Ele foi a um café, onde carregou seu currículo e certificado em um site dedicado, ultrapassando o prazo em dois dias.

Ele então esperou pela carta de aceitação de McMaster, que a fundação prometeu que chegaria nos próximos 30 dias úteis. Mas o teste de inglês foi o culminar de uma fraude elaborada para arrecadar dinheiro de jovens africanos que queriam estudar no exterior.

“Não sei se alguém nascido de uma mulher, criada por Deus, pode realmente formular algo assim para enganar as pessoas”, disse Uche, de 21 anos, da casa de sua família no estado de Abia, sudeste da Nigéria. “Estou com o coração partido”, diz ele. “Meu dinheiro acabou.”

Um Youtuber com um entusiasmo pela ciência, Uche se formou na Covenant High School em Abia, onde era monitor-chefe, um líder estudantil sênior normalmente nomeado pelos professores da escola. Ele diz que estava buscando admissão na faculdade, mas as universidades públicas da Nigéria estiveram em greve na maior parte do ano passado, junto com a paralisação da pandemia de coronavírus que manteve até alunos de escolas particulares em casa.

Superficialmente, o golpe se assemelha a velhos truques que foram usados ​​por anos para enganar os candidatos a estudantes com bolsas de estudo falsas. Mas revela uma tendência nova e perturbadora: a mesma impunidade e brechas que os golpistas normalmente usam agora são superadas pela fintech, tornando os ganhos potenciais para os golpistas e as perdas para os golpistas ainda maiores.

O número de pessoas que se apaixonaram pelo golpe ainda não é conhecido. Paystack se recusou a revelar a identidade dos golpistas e não disse quanto dinheiro arrecadou para eles.

“Quando ficamos sabendo da atividade questionável deste comerciante, imediatamente desativamos sua conta e estamos trabalhando com seu banco para investigar o incidente”, disse Paystack por e-mail.

A cadeia de fintech quebrada

De acordo com o Paystack, para que os comerciantes ativem em sua plataforma, eles devem enviar uma série de documentos “conheça seu cliente”, que são analisados ​​antes que a empresa seja autorizada a aceitar pagamentos. “As empresas de setores regulamentados devem produzir documentos exclusivos de seu setor, como certificados e licenças”, afirma a empresa.

Na Nigéria, por exemplo, o Paystack exige que os clientes em potencial enviem o número de verificação do banco (BVN) de qualquer diretor ou administrador, o certificado de registro da Comissão de Assuntos Corporativos, a agência nigeriana responsável pelo registro para organizações sem fins lucrativos. Lucro e uma conta bancária corporativa. Requisitos semelhantes também se aplicam a Gana e África do Sul, onde a empresa expandiu seus serviços.

Não está totalmente claro se o Paystack não selecionou adequadamente os golpistas ou se as regras atuais não são rígidas o suficiente para detectar clientes duvidosos.

Para que os golpistas tenham sucesso, pelo menos uma outra organização corporativa ao longo da cadeia de pagamento deixou de fazer sua devida diligência, diz Babatunde Obrimah, diretor de operações da Nigerian Fintech Association, uma organização sem fins lucrativos de defesa de tecnologia financeira no país. Os golpistas usaram o Paystack apenas como um gateway de pagamento em seu site; o dinheiro que ganhavam tinha de ser canalizado para um banco ou outra instituição financeira. “Alguém ao final da transação é o responsável”, acrescenta.

Empresas de pagamento como o Paystack são regulamentadas pelo Banco Central da Nigéria, que exige que os provedores de serviços de pagamento garantam que todas as transações em suas plataformas sejam validadas por instituições financeiras confiáveis. O banco central lançou uma investigação sobre o golpe e fornecerá mais informações após a conclusão, disse o porta-voz Osita Nwanisobi em uma mensagem de texto.

Terreno fértil para fintechs e golpistas

A Nigéria, com cerca de 200 milhões de habitantes e a maior economia da África, é um mercado viável para startups de fintech. Entre janeiro e agosto do ano passado, o valor das transações de pagamento eletrônico na Nigéria foi de 804 trilhões de nairas (cerca de US $ 2 trilhões) e as transferências online respondem por quase um terço, de acordo com o Banco Central da Nigéria.

A Paystack, fundada por Ezra Olubi e Shola Akinlade em Lagos em 2015, foi adquirida pela Stripe por cerca de US $ 200 milhões em outubro do ano passado e agora tem mais de 60.000 clientes. Stripe não respondeu aos pedidos de comentário.

Outra startup de pagamentos nigeriana, Flutterwave, levantou US $ 170 milhões em uma rodada de financiamento da Série C em março, projetando a empresa em uma avaliação de cerca de US $ 1 bilhão.

Mas à medida que as plataformas de pagamento crescem no país, os yahoo boys – um apelido nigeriano para golpistas da internet – estão encontrando maneiras de lucrar.

Os jovens nigerianos são um alvo particularmente fácil para golpes de bolsas de estudo. Diante do aumento do desemprego, muitos procuram emigrar para países de alta renda na esperança de uma vida melhor. Dicas comuns para evitar ser vítima desse tipo de golpe incluem nunca pagar uma taxa de inscrição, nunca revelar informações pessoais confidenciais e nunca responder a uma oferta não solicitada.

“Quando uma oportunidade parece boa demais para ser verdade, geralmente é”, diz Grace Ihejiamaizu, que administra o Opportunity Desk, um site que seleciona oportunidades globais de carreira e educacionais. “Confie em seus instintos e dê um passo para trás para analisar a oportunidade. Você pode estar convidando um segundo olho que é mais racional, informado e menos animado com a oportunidade de fornecer feedback valioso. “

Um novo tipo de golpe de bolsa de estudos

O golpe pelo qual Uche e outros se apaixonaram não se baseava nos truques usuais. Em vez disso, os golpistas criaram um esquema ousado que envolvia muitas camadas que se desenvolveram gradualmente ao longo dos meses.

O site de inscrição para bolsa tinha fotos de alunos sorridentes em vestidos de formatura, pegando livros e participando de outras atividades no campus. A bolsa de estudos destinava-se a africanos que obtivessem graus de graduação e mestrado em uma das nove universidades da Austrália, Canadá e Inglaterra. O aplicativo exigia apenas dois ensaios motivacionais sem um limite de palavras específico.

A fundação fraudulenta abriu seu processo de inscrição em dezembro, com prazo até 11 de janeiro. Em seguida, os candidatos começaram a receber mensagens de parabéns pela conquista da bolsa. Eles foram instruídos a carregar seu currículo e certificado de proficiência em inglês em um link da web para garantir sua admissão em universidades parceiras.

“Sinto-me muito fraco agora”, disse Francis Ogiri, de 27 anos, que ainda aguardava sua carta de admissão quando soube pela Quartz Africa que havia sido enganado. Ele se candidatou a um diploma em engenharia civil na Universidade da Tasmânia, na Austrália, e pagou duas vezes pelo exame de inglês porque o primeiro PIN de acesso expirou. Ele também pagou mais 2.500 nairas para preparar um teste exemplar de inglês. Ogiri tem um diploma do Instituto de Tecnologia do Exército Nigeriano em Makurdi, Estado de Benue, e está morando com sua irmã mais velha e seu irmão mais novo em Abuja, onde trabalha como assistente de escritório.

O link para a bolsa parece ter circulado principalmente em grupos do WhatsApp e do Facebook, onde jovens africanos se reúnem para compartilhar oportunidades de bolsas; apenas um obscuro site nigeriano, Explorer Arena, postou sobre a bolsa. Ogiri diz que ficou sabendo da bolsa pela primeira vez por meio de um link que um amigo lhe enviou via WhatsApp e se convenceu de que era real depois de pesquisar no Google. Outro candidato, Aminu Adamu, de 28 anos, que mora em Kano, conta que também recebeu o link pelo WhatsApp e também se apaixonou depois de pesquisar no Google. Adamu escolheu administração de empresas na Monash University na Austrália.

É fácil ver por que os candidatos podem ter sido inicialmente enganados. Quando eles pesquisaram a fundação, os melhores resultados foram provavelmente o St. Michael’s College e a St. Michael Foundation, ambas organizações genuínas que não têm nenhuma conexão com a falsa St. Michael Foundation.

E, à primeira vista, o site dos golpistas parecia genuíno. Texto plagiado de outra organização real, a Mastercard Foundation, para explicar do que se tratava a bolsa. Os golpistas também tiraram fotos do perfil de quatro membros do conselho do site da Mastercard Foundation e as passaram como se fossem suas.

Em 19 de janeiro, a Mastercard Foundation emitiu um aviso de isenção de responsabilidade dizendo que o site fraudulento usou o conteúdo e as imagens da fundação para promover a bolsa de estudo falsa. O site havia sido retirado do ar no dia anterior, mas, a essa altura, os golpistas já haviam enviado mensagens de parabéns aos candidatos e continuavam a recomendar o falso teste de inglês.

Ainda assim, o tempo todo havia indícios de fraude. O domínio do site de teste só foi registrado em dezembro, mas ele falsamente alegou que seus direitos autorais eram de 2010. Ele tinha fotos e depoimentos de alunos que haviam reprovado nos testes TOEFL e IELTS várias vezes até fazerem o OIEPE, mas o teste em si consistia em 30 perguntas mal formuladas para serem respondidas em 45 minutos.

Havia outras bandeiras vermelhas. Nenhum dos sites tinha contas de mídia social. E a liderança americana da fundação não existia. Mas a realização de uma verificação online básica pode não estar disponível para candidatos motivados pela perspectiva de estudar no exterior.

Para Chukwuebuka Amazu, que escolheu um mestrado em filosofia na Universidade de Ottawa, no Canadá, os golpistas jogaram um jogo rápido com eles, não apenas recolhendo seu dinheiro, mas também fazendo-os estudar para um falso teste de inglês. É um lembrete preocupante de que a rápida expansão das fintech na África tem seus riscos.

Inscreva-se para Comparativo semanal do Quartz Africa aqui para receber notícias e análises sobre negócios, tecnologia e inovação na África entregues em sua caixa de entrada.



Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar