Cidadania

A Etiópia combate o cibercrime diretamente da dark web criptográfica — Quartz Africa

Em junho deste ano, o banco central da Etiópia emitiu um comunicado dizendo que os negócios de criptomoedas no país são ilegais. Menos de três meses depois, o país parece ter revertido essa decisão e, em vez disso, exige que os operadores de criptomoedas se registrem na agência nacional de segurança cibernética, a Information Network Security Administration (INSA), dentro de 10 dias. dias.

Esse movimento do governo para reconhecer o setor é impulsionado pelo desejo de ser proativo na proteção dos cidadãos contra o crime cibernético relacionado a criptomoedas.

“Existe interesse entre indivíduos e entidades em fornecer serviços de criptomoedas, incluindo mineração e transferência”, disse a INSA, alertando que os jogadores de criptomoedas que não se registrarem serão processados ​​​​mesmo que o inverno global das criptomoedas continue. Em 28 de agosto, o Bitcoin caiu abaixo de US$ 20.000 pela primeira vez desde 14 de julho.

Em junho, o INSA disse ter frustrado 97% das tentativas de ataques cibernéticos contra várias instituições no país desde julho de 2021, ajudando o país a economizar US$ 26,3 milhões.

Embora os países africanos reconheçam a crescente ameaça de insegurança cibernética no continente, nenhum adotou medidas para mitigar ataques cibernéticos ocultos nos mercados de criptomoedas online. A Etiópia quer liderar nessa frente.

E embora tenha ficado para trás na adoção de criptomoedas na África, a Etiópia está alcançando rapidamente players dominantes como Nigéria, Quênia, África do Sul e Egito. Com 1,8 milhão de traders de Bitcoin, a Etiópia ocupa o sétimo lugar na África em capacidade de retenção de criptomoedas.

Desafios de criptografia na África

Apesar do crescente interesse, a maioria dos governos africanos continua a proibir o comércio de criptomoedas, exceto a República Centro-Africana. Em maio, Uganda reprimiu em todo o país contra provedores de pagamento que facilitavam transações de criptomoedas, depois que 5.000 vítimas perderam aproximadamente US$ 2,7 milhões por meio de esquemas Ponzi.

Houve histórias de luto no vizinho do sul da Etiópia, o Quênia, quando comerciantes queimaram em maio. No entanto, os comerciantes de criptomoedas etíopes ainda estão explorando o negócio, e nove exchanges de criptomoedas estão vendendo moedas digitais para eles.

“Embora se argumente que o blockchain é uma maneira mais segura de fazer transações, a desvantagem, é claro, é que, se você perder sua chave privada, não há como recuperar seus fundos”, disse Iwa Salami, especialista, ao The Conversation. regulamento fintech. .

Bilhões de dólares são perdidos por meio de ataques cibernéticos de criptomoedas

O último relatório da Chainalysis indica que as perdas com golpes de criptomoedas aumentaram 60% nos primeiros sete meses deste ano, para US$ 1,9 bilhão, impulsionadas por um aumento nos fundos roubados de protocolos de finanças descentralizadas (DeFi).

As plataformas de criptomoedas, antes vistas como impenetráveis ​​por hackers e grupos de ransomware, tornaram-se alvo de ataques cibernéticos, pois são o método de pagamento preferido para todos os tipos de golpes, roubos e transações fraudulentas. O Relatório de Crimes na Internet do FBI mostra que o uso criminoso de criptomoeda está entre os três principais incidentes de crimes cibernéticos relatados no mundo.

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo