Cidadania

A África precisa olhar para a China, Rússia e Índia para vacinas Covid – Quartz Africa


À medida que mais países africanos registram a segunda onda de infecções por coronavírus e algumas variantes novas e mais infecciosas, os governos africanos estão se voltando para as vacinas Covid-19 produzidas pela Rússia, Índia e China, apesar do ceticismo sobre algumas delas. vacinações

Com a ascensão da segunda onda, será difícil para a maioria das economias africanas implementar um segundo bloqueio, visto que ainda não se recuperaram daquele implementado durante a primeira onda. A vacinação em massa precoce para obter imunidade comunitária pode ser a única maneira sustentável para esses países controlarem a segunda onda.

Mas, com as vacinas Covid-19 sendo lançadas atualmente em todo o mundo, está ficando claro que os países africanos não receberão o suprimento de vacinas do Ocidente com antecedência suficiente para controlar a segunda onda. Até agora, a África não parece fazer parte das prioridades de abastecimento das empresas farmacêuticas que produzem as principais vacinas Covid-19.

Enquanto a Pfizer-BioNTech ofereceu fornecer apenas 50 milhões de vacinas Covid-19 para a África de março até o final deste ano, Moderna e AstraZeneca ainda não alocaram suprimentos para a África. A AstraZeneca ordenou que a União Africana (UA) negocie com o Serum Institute of India a vacina para ver se eles podem chegar a um acordo. O Serum Institute of India obteve anteriormente a licença para produzir a vacina AstraZeneca.

Até agora, a maioria dos países africanos dependia principalmente do mecanismo de co-financiamento público-privado da COVAX apoiado pela Fundação Bill & Melinda Gates para permitir o acesso imediato e equitativo às vacinas Covid-19 para países de baixa renda.

A instalação prometeu acesso a vacinas para até 20% da população dos países participantes, com um suprimento inicial começando no primeiro trimestre do ano para imunizar 3% de sua população. Porém, a COVAX não tem recursos suficientes e esses países devem buscar outras formas de acessar mais doses para vacinar 50% de sua população a fim de obter imunidade.

Desde o início da pandemia, vários países ao redor do mundo têm lutado para facilitar o desenvolvimento local de vacinas, testes clínicos e alguns fizeram pagamentos adiantados por vacinas para estimular a produção precoce. Fora da África do Sul, a maioria das economias africanas desempenhou pouco ou nenhum papel no desenvolvimento das vacinas Covid-19 e também fez pouco ou nenhum esforço para garantir as vacinas, enquanto outras economias ao redor do mundo o fizeram.

Por exemplo, um laboratório de doenças infecciosas e genômicas mundialmente respeitado na Nigéria anunciou o desenvolvimento de uma vacina Covid-19 em setembro que é 90% eficaz contra o vírus no ensaio pré-clínico, mas não foi capaz de realizar ensaios clínicos devido a à falta de apoio e financiamento.

Embora o Quênia tenha anunciado recentemente que, por meio das instalações da COVAX, encomendou 24 milhões de doses da vacina AstraZeneca, e os suprimentos devem começar a chegar na segunda semana do próximo mês, vários países africanos estão optando por vacinas da Índia. , Rússia e China. Isso apesar do ceticismo em relação às vacinas da Rússia e da China em particular. Ambos os países lançaram suas vacinas sem resultados de estudos clínicos de fase 3 que confirmem a eficácia da vacina.

A África do Sul disse que fez um acordo com o Serum Institute India e receberá 1,5 milhão de doses da vacina AstraZeneca para seus profissionais de saúde a partir deste mês. O país, que está saindo, também está em negociações com Rússia e China para compra de vacinas. A Guiné está atualmente testando a vacina russa, Sputnik V, e encomendou 2 milhões de doses.

Marrocos encomendou 65 milhões de doses da vacina Sinopharm à China e da vacina AstraZeneca ao Serum Institute India. O Egito planeja comprar 40 milhões de doses da vacina Sinopharm, já recebeu 50 mil doses da vacina em dezembro e espera mais 50 mil na segunda ou terceira semana deste mês, quando terá início a vacinação.

A Nigéria diz que o acesso às vacinas estava em discussões esta semana com o ministro das Relações Exteriores da China durante sua visita ao condado.

Outro desafio no continente é o surgimento de novas e mais infecciosas variantes do coronavírus. A África do Sul, que tem sido o país mais afetado do continente, e a Nigéria, que é o mais populoso, relataram novas variantes diferentes da que circula no Reino Unido. Embora muito ainda seja desconhecido sobre a nova variante na Nigéria, a variante sul-africana está emergindo como a variante dominante e está supostamente impulsionando a segunda onda no país.

Inscreva-se aqui para receber notícias e análises sobre negócios, tecnologia e inovação na África em sua caixa de entrada.



Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar