Cidadania

A África do Sul está se tornando a alternativa da Europa ao carvão russo — Quartz Africa

A partir de meados de agosto, os países da União Europeia deixarão de importar carvão da Rússia, pelo que terão de procurar fornecedores alternativos. A África do Sul já é um desses fornecedores e o quinto maior exportador de carvão do mundo.

Entre janeiro e maio deste ano, cerca de 40% a mais de toneladas de carvão foram exportadas para a Europa a partir do Richards Bay Coal Terminal (RBCT) da África do Sul do que as exportadas em todo o ano de 2021, segundo a Reuters. Os países receptores incluem Espanha, Polônia e Alemanha, que não importaram carvão sul-africano no ano passado, bem como a França, que aumentou suas importações em sete vezes ano a ano.

se afastando da rússia

O grau em que a UE depende de energia importada varia de país para país (mais baixo na Estônia, mais alto em Chipre), mas a taxa de dependência média em todo o bloco foi de 58% em 2020.

Dada a dependência energética da UE em particular da Rússia, a decisão do bloco de parar de importar carvão russo por causa da guerra de Vladimir Putin na Ucrânia é ousada. Dos três países que forneceram a maior parte do carvão da UE em 2020, a Rússia respondeu por 54%, enquanto os EUA e a Austrália forneceram 30%. A Rússia ganha US$ 4,4 bilhões por ano com as exportações de carvão para a UE. Esse dinheiro agora está indo para outro lugar.

Assim que a guerra na Ucrânia começou em fevereiro, a Reuters informa que os países da UEincluindo Holanda, Itália e Dinamarcacomeçou a aumentar as importações de carvão da África do Sul. O bloco foi responsável por quase 15% das exportações de carvão de 24 milhões de toneladas da RBCT até agora este ano, em comparação com 4% em todo o ano de 2021.

A África do Sul vai lucrar?

A indústria sul-africana de carvão emprega cerca de 200.000 pessoas, inclusive na RBCT, o maior terminal de exportação de carvão da África. Manter esses empregos à medida que os preços do carvão aumentam é crucial para um país onde o desemprego é de 34%.

Mas o aumento induzido pela guerra na demanda européia vem no contexto do plano da África do Sul de reduzir sua infraestrutura de eletricidade a partir do carvão. O país garantiu US$ 8,5 bilhões da UE, Grã-Bretanha, França, Alemanha e EUA durante a conferência climática COP26 do ano passado para financiar uma mudança do carvão; sua meta é de US$ 27,6 bilhões.

A Rússia exportou 56,9 milhões de toneladas de carvão para a Europa em 2021 e, em teoria, a África do Sul poderia igualar isso com sua própria meta de exportação de 70 milhões de toneladas até 2022. Mas isso parece improvável: de acordo com a Reuters, o desempenho da África do Sul em 2022 até agora sugere que pode nem mesmo replicar as 58,72 milhões de toneladas que exportou no ano passado (no total, não apenas para a Europa). Entre as razões para o declínio das exportações: infraestrutura ferroviária precária que atrasa o movimento de carvão das minas para a RBCT.

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo